Um blog sobre pessoas, relações e tudo o que nos une.
.posts recentes

. A Retoma

. Timidez - Impacto na e da...

. Timidez - Exercícios simp...

. As 7 questões que se deve...

. Deixar a velha magia no s...

. 10 Regras para ser um ser...

. Um pequeno conto budista

. Estou de volta

. A Timidez

. Votação no SAPO

.arquivos

. Fevereiro 2010

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Julho 2007

. Junho 2007

. Março 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Setembro 2006

Domingo, 26 de Novembro de 2006
Dôr
É imensamente mais fácil falarmos das dores dos outros. É simples sermos racionais e directos. Sermos calculistas e pensarmos qual a melhor palavra, como colocarmos os braços, como olharmos. é facil prevermos o momento certo em que colocamos a nossa mão no ombro de quem sofre, de forma a que sinta o carinho certo no momento certo.

Hoje falo-vos sem essa preparação. Hoje falo sem premeditação. Pelo primeira vez escrevo de improviso. Sobre um dos temas mais abrangentes que podem haver: a dôr. E escrevo isto com lágrimas nos olhos porque me doi.

Hoje perdi o meu pai. Perdi-o para a doença mais estúpida que existe. Sempre o vi forte como um tronco daquelas árvores seculares que nos habituamos a ver nos jardins. Com mãos fortes capazes de derrubar qualquer muro. Hoje vi-o fraco, magro, vencido. Levado por um tumor que em 3 meses retirou dele a lúz e o brilho que sempre teve.

Hoje perdi o meu pai. Quem eu olhava e admirava. Um homem humilde, justo, reservado. Nunca foi dado a burburinhos nem especulações. Um homem que fez vida a malhar ferro e a segurar um maçarico, quente como as próprias entranhas da terra. Aprendeu a moldar o ferro e a construir coisas monumentais. Era um, apenas um, entre milhares, numa qualquer oficina da Lisnave. Mas era o meu pai.

Nunca lhe disse que tinha orgulho nele, mas ele sabia que eu tinha. Mas ficou por dizer, é um facto. E agora, de lagrimas a escorrer, só peço que um dia ele me tenha ouvido. E, acima de tudo, onde quer que ele esteja, espero que um dia ele tenha orgulho de mim.

Hoje perdi-te Pai, mas vais estar sempre vivo dentro de mim. Aqui dentro, nunca te deixarei morrer. Isso juro-te. Até sempre
tags: , , ,
publicado por Zen às 20:04
link do post | favorito
De Anónimo a 27 de Novembro de 2006 às 12:04
Infelizmente, sei o que sente e do que fala...
Também já perdi minha MÃE e meu PAI! meus melhores AMIGOS e companheiros...

Como dói esta mutilação...

Nunca fomos preparados para a perda, a mim...doem-me todas as perdas. Não há remédios nem conselhos para esta terapia.

Viva a memória de seu "PAI", como melhor souber e puder, mantenha-o "VIVO" na sua memória nos seus gestos e no seu quotidiano, em nome da famália e de si mesma...

Seja no credo religioso, seja na sua profissão ou no seu momento de intimo prazer, deixe que a alegria e o amor não percam a expontâneidade e assumam a razão porque o "SEU PAI", lhe deu tudo o que podia provavelmente...para a fazer assim...um ser que sabe o que significa "AMAR", porque não ficam dúvidas depois de a ler, que esse amor era recíproco... AUTÊNTICO e INCONFUNDÍVEL...

Eu... ainda hoje amo muito os meus pais que já não estão comigo físicamente, um há 14 anos e outro há 5.

Que as nossas memórias se reconfortem no seu eterno descanso.

AS MINHAS MAIS SENTIDAS CONDOLÊNCIAS...
ÂNIMO!

Trin
Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



.pesquisar
 
.tags

. todas as tags

.links
.subscrever feeds