Um blog sobre pessoas, relações e tudo o que nos une.
.posts recentes

. A Retoma

. Timidez - Impacto na e da...

. Timidez - Exercícios simp...

. As 7 questões que se deve...

. Deixar a velha magia no s...

. 10 Regras para ser um ser...

. Um pequeno conto budista

. Estou de volta

. A Timidez

. Votação no SAPO

.arquivos

. Fevereiro 2010

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Julho 2007

. Junho 2007

. Março 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Setembro 2006

Sexta-feira, 15 de Junho de 2007
E quando acaba a relação?
Muito já se escreveu sobre relações, de como começar, durar e acabar. E quando acaba? Como é que se encara? Como se recupera? Foi um post que recentemente li num blog que me fez pensar sobre isto. A verdade é que não há uma resposta simples nem fácil. No entanto há padrões típicos de comportamento seguidos pela maioria das pessoas. Esses padrões são radicalmente diferentes de homens para mulheres.

De novo saliento que o que escrevo é apenas uma opinião, nada mais. Apenas me baseio nas minhas notas, que tiro no decorrer da minha actividade e nas notas que tiro das publicações e livros que leio. Obviamente que existem centenas de excepções a cada regra que se apresenta. Mas por amostra, este seria o padrão típico.

Homens:

Os homens, tipicamente, mudam-se para casa da mãe ou de um familiar próximo. Passam por um período de um ou dois dias de tristeza extrema e depois como que voltam a ser adolescentes. Procuram sair, divertir-se, ter todos os excessos normais da adolescência. Atristeza de homem procura da companheira fugaz para uma aventura é mais que evidente mas depois de cada aventura ficam mais tristes pois não é de facto o que procuram. Tudo se recente: trabalho, amigos, filhos (eventuais) e família. Viram-se apenas para o seu egoísmo como se deixasse de haver mundo lá fora.

No entanto estão muito fragilizados e escondem-no. Os excessos são muito frequentes (como o álcool por exemplo) que os leva a situações embaraçosas e por vezes violentas. Os homens são socialmente mais dependentes no que diz respeito a vida dentro de portas. Tipicamente tem o salário mais elevado e cabe-lhe a tarefa de trazer dinheiro e pagar as contas. À mulher cabem-lhe as tarefas da manutenção doméstica e/ou dos filhos. Felizmente esta tendência está a mudar pelo que cada vez mais as tarefas em casa são distribuídas. E mesmo socialmente os ordenados estão cada vez mais equiparados.

De qualquer forma os homens tradicionalmente são mais "infantis" e comportam-se mais nesse sentido. Frequentemente homens de meia idade, aquando uma situação de separação, pintam o cabelo e mudam de estilo de vestir. Apenas para tentar parecer mais jovens. Quando são os homens a terminar a relação, frequentemente se arrependem e entram em ciclos de comparação que apenas lhes estraga novos relacionamentos.

Mulheres:

tristeza de mulherNas mulheres varia muito se deixaram ou foram deixadas. Uma tónica comum é o ciúme. Mesmo que não todo o amor tenha sido perdido, existe uma sensação de posse que muito dificilmente desaparece. O ciúme de ver o antigo companheiro com outra pessoa consome por dentro. É frequente tentarem arranjar, inclusive, problemas na nova relação. Muitas vezes procurando estar com o ex-companheiro e deixando perdido algum objecto pessoal tal como um lenço ou um brinco. Algo que o comprometa e que lhe levante problemas.

Se a mulher está na posição de "deixada" então piora. Chegam as recriminações, a frase "o que ela tem que eu não tenha" vem ao de cima milhares de vezes. Há uma detioração da vida pessoal agravada que normalmente só se trava com o ocupar do tempo. Esse ocupar pode ser uma nova relação, um novo hobby, projecto ou interesse. Normalmente as mulheres tornam-se mais independentes e conseguem "dar a volta" mais depressa que os homens.

De uma forma geral as mulheres são mais maduras e comportam-se nesse sentido. Frequentemente decidem não ter relações estáveis durante um período de tempo deixando-se apenas com aventuras e relações sem vínculos.

Isto foi, de uma forma simplista, alguns traços típicos tanto dos homens como das mulheres. Existe depois um leque muito abrangente de acções e reacções. Formas de estar e de viver que vão desde o desinteresse até à mais pura obsessão. Apesar de haver uma imagem da mulher obcecada pela relação que termina, é mais frequente ver esse padrão no homem.

Comentários ou perguntas, por favor usem a secção de comentários ou o meu e-mail momentozen@sapo.pt
publicado por Zen às 10:00
link do post | comentar | favorito
|
7 comentários:
De Infiel a 15 de Junho de 2007 às 12:47
Obrigado
É pena que o casal não chegue a conclusões enquanto casal Mas ainda bem que ha excepções e que os segundos casamentos são felizes, como que o que de "pior" tiveram no primeiro não se repete no segundo. Para isso é necessario crescer e amadurecer e, cada um tem a sua velocidade
De clemente a 26 de Julho de 2007 às 14:50
É um bom raciocínio;
Mas de parte a parte o problema de muitos casos e que ,pensam que amam e só se gostam um pouco. porque quando se amam ou se gostam muito o que querem é ver o outro feliz.
Nós vemos os cães . há uma cadela que anda com o cio, vem um cão dois três quatro ou cinco e todos eles fazem a sua exsicação. Depois de dez a vinte e quatro horas a fêmea é que escolhe o macho e pode ser o mais fraco de todos mas os restantes apenas ficam a ver a cessam e no final um de cada vês lá vai desaparecendo e só ficam os dois enrabados .
Isto sim é um sinal de amor e de respeito
De Infiel a 26 de Julho de 2007 às 18:15
Bem ver relações humanas a serem comparadas ao cio de uma cadela e, respectiva escolha de macho..... ainda não tinha pensado.
é um pau de dois bicos: a/o amante não se metia entre o casal, ja que a femea escolheu o seu macho;
a/o legitima não se metia entre os amantes, porque eles copulam como casal.
Mas concordo que, quanda amamos alguem o que queremos é que esse alguem esteja feliz, independentemente de ser com ele ou longe dele!
E não sentir tristeza porque é suficiente saber que o outro está feliz!
Desculpa Rui pela invasão
De Deanta a 24 de Novembro de 2009 às 23:44
O que doi eh ouvir a outra pessoa dizer que percebe os erros que cometeu connosco e nos diz que na nova relaçao isso nao vai acontecer.
De Infiel a 8 de Fevereiro de 2010 às 21:47

o destino trabalha de maneira pouco logica isto porque hoje recebi no mail esta resposta que está datada de Novembro do ano passado
provavelmente Deanta não vai nem saber que aqui vim mas, tenho de dizer que, só doi aquilo que nós permitimos que doa

Rui, espero que estejas bem!
eu ando afastada dos blogs, não perdi a vontade de escrever nem partilhar mas .... estou numa outra situação que me exije prioridade e a quem gosto de dar essa prioridade mas, não esqueço!!!

um abraço com mil sorrisos
De Zen a 27 de Julho de 2007 às 10:38
Não é invasão nenhuma. Este espaço é de todos e para todos. Não exitem em usa-lo a vosso belo prazer. E é sempre bom termos uma troca de ideias. No fim, todos ganhamos.
De tami a 3 de Junho de 2011 às 02:45
Sei la mais acho que quando vc ama a pessoa a separacao doi mais e passageira

Comentar post

.pesquisar
 
.tags

. todas as tags

.links
.subscrever feeds